Bem-vindos ao meu mundinho encantado! :)
RSS

sábado, 27 de novembro de 2010

Vida estacionada

Eis minha sina ou meu carma, como quiser chamar: Rei Tritão*.
Uma tarde. Eu doente. Shrek* foi cuidar do cavalo. Madrasta trabalhava.
Sim, ele tentou. Claro que não conseguiu.
A noite, deitei na cama de um quarto iluminado apenas por luzes da rua. Senti um aperto no peito, uma coisa ruim machucar meu coração adolescente, apesar da idade não corresponder a isso pra maioria das pessoas.
- As aulas terminam dia 22 - anunciou a Madrasta* do quarto ao lado.
Apertei os olhos, que teimavam em não querer chorar até aquele instante. Uma centena de momentos felizes e tristes com Cris*, Bela*, Fera*, e a Irmá Má* brotaram na minha mente. O isolamento na escola nova. A aproximação. O ar desconfiado de Irmã Má* e seus "planos" pra me afastar dos outros. O momento em que uma delas me expulsou da conversa. As risadas. Os segredos aos poucos compartilhados. A mudança provisoria em alguem tão pura quanto elas. Os sermões .
Tudo isso foi muito bom, mas se todos eles se formam no fim do ano, restaram-me apenas minhas colegas de aula.
Finalmente, lagrimas correram pelos meus olhos, lembrando dos três anos perdidos no 1º ano do ensino medio. Comecei a lembrar do que tinha se passado nesses anos. NADA. Absolutamente nada. É como se tivesse em uma rotula de avenida. Minha vida continua acontecendo e eu continuo caminhando. Mas apesar do cansaço, não saio do mesmo lugar.
E então tentei buscar motivos pra ter estacionado no pacato mundo15-16 anos. Tentei novamente culpar a mim, a anna, a mia e as outras doenças. Mas então lembrei do rosto pscicotico de Rei Tritão*.
Eis o que era aos 15 anos: uma garota comportada e obediente, oscecada com estudos, dança cultural, alunos que dava aula na igreja. Uma garota que tinha uma familia feliz, apesar dos problemas de toda a familia normal. Tinha muitos sonhos, amores e acreditava cegamente em conto de fadas.
O odio inexplicavel que sinto do Rei Tritão* começou a crescer dentro de mim depois que a Madrasta* descobriu. Não sei exatamente porque, mas antes disso eu não o odiava. Eu ME odiava. Eu me culpava por tudo o que acontecia, por tudo o que me tornei e até pelo que ele fazia comigo.
Hoje não. Quando minha mãe descobriu e conversou comigo, foi como se meus olhos se abrissem e eu visse que a culpa de tudo era dele e não minha. E então o odio DELE começou a crescer. O odio que tenho de mim ainda persiste, mas não como antes. Por isso não me corto mais (na maioria das vezes). Por isso não consigo mais dietas, não consigo mais miar. Por saber que não sou a culpada disso tudo.
E então meu mundo mudou aos 16 anos. No mesmo ano que mudei de casa e escola, começaram aquilo que algumas aqui sabem. Outros, ainda não podem saber. Meu mundo desabou e eu me tornei o que sou hoje.
Eis o que sou hoje: a garota depressiva, gorda, estacionada no 1º ano, aprontando muito, me machucando e tentando ajudar meus amigos a não entrarem pelo mesmo buraco que eu.
Apenas tentando ser feliz.

P.S : É mesmo dengue o que eu tenho, embora a anemia seja a mais pura verdade :S.

4 kcal:

(●• LIA •●) disse...

Ôhh linda tá com dengue . Que mau!! Eu já tive é horrível. Eu fiquei tão mau que tive que tomar soro... estava com meus 50kg aii com a dengue fui para 48kg aii depois da dengue e o chorooo em menos de 03 meses engordei fui para nos 69kg! Que luto até hoje!

Melhoras!

Abraços!

Caty Star* disse...

Oi linda!
flor melhoras viu...
isso vai passar e tu vai ficar boa =D
boa semana pra ti linda (L)
vai dar tudo certo!

Fallen Angel disse...

amor , voce vai conseguir sair dessa .
olha , sua mãe te fez um bem , abrindo seus olhos , sei la , nós mudamos , todos mudam , e não ha como evitar isso , quando eu olho pra tras tambem , sinto pena de mim mesma , mas eu sou do ditado: o que tiver que ser , será !
força

Exahmia disse...

Que idade tens?

Postar um comentário